jump to navigation

Folha lança hoje e-mail gratuito com 4 Gbytes de capacidade 14/08/2008

Posted by Denise Alves in Meus, Tecnologia.
add a comment

A Folha lança hoje um e-mail gratuito com a extensão @folha.com.br, aberto a qualquer usuário da internet, assinante do jornal ou não. Para criar uma conta, é preciso acessar o site http://www.folha.com.br/email.

A conta de e-mail Folha tem capacidade de armazenamento de 4 gbytes. “Com a mesma conta de e-mail o usuário pode usufruir de serviços do UOL, como Blog e Fotoblog, sem ter de se cadastrar no UOL”, diz Márcio Drumond, diretor-geral de Pesquisa e Desenvolvimento do UOL, provedor do e-mail Folha.

Comprovado Cientificamente? Desconfie! 14/08/2008

Posted by Denise Alves in ciência, Meus.
3 comments

 

Um vasto estudo da incidência de fraude científica nos Estados Unidos foi recentemente publicado com resultados alarmantes: as fraudes são mais comuns do que pensamos. Cientistas desfrutam de grande credibilidade em seus pronunciamentos públicos – como aquecimento global, clonagem e evidências de novos mundos extraterrestres. Mas esse estudo sugere que tal confiança não é merecida.

Quase nove por cento dos 2.012 cientistas de 605 instituições pesquisadas pelo Escritório de Integridade Científica (ORI, na sigla em inglês), uma agência de monitoramento de pesquisas científicas nos EUA, disseram ter testemunhado algum tipo de fraude ou conduta inadequada nos últimos três anos. A agência estima que todo ano ocorram três incidentes de fraude para cada 100 pesquisadores.

“Um pós-doutorando que muda números em testes para ‘melhorar’ os dados” é como um cientista descreve o que parece ser uma prática comum de fraude em pesquisas. Como qualquer cientista sabe, essa manipulação de dados é proibida e invalida qualquer conclusão científica.

Normalmente, a agência investiga apenas 24 casos por ano. O órgão estima que ocorrem pelo menos 1,35 mil casos de condutas não condizentes com a prática científica nas universidades americanas todos os anos, a maioria não reportada ao ORI.

Ocorrência das fraudes

Apesar da pesquisa se limitar às áreas de saúde e biologia nos Estados Unidos, pode-se sugerir a partir dos resultados que a fraude é provavelmente um fenômeno endêmico na ciência praticada em todo o mundo. (Na verdade, um dos casos mais notórios de fraude científica aconteceu na Coréia do Sul em 2005, quando se descobriu que Hwang Woo Suk havia fabricado os resultados que lhe permitiram alegar que havia clonado células-tronco humanas.)

É claro que a fraude na ciência não é um fenômeno recente. As mais respeitadas figuras da história da ciência já sofreram essas acusações. Galileu supostamente exagerou no resultado de seus experimentos; Newton manipulou informações em seu Principia para sustentar sua teoria do poder preditivo; e os experimentos de Mendel com ervilhas contêm dados estatisticamente bons demais para ser verdade. Dizem que no século II a.C. o astrônomo grego Hiparco se apropriou de um catálogo de estrelas babilônico e alegou que era o resultado de suas próprias observações.

Diversos escândalos de fraude têm abalado a comunidade científica recentemente. Em 2002, Jan Hendrik Schon, um jovem físico a trabalho dos Laboratórios Bell, cometeu o que possivelmente seja a maior fraude na física moderna ao falsificar, ao longo de quatro anos, resultados que abrangem campos diversos, como supercondutores e nanotecnologia.

Na mesma época, em 1999, no laboratório americano Lawrence Berkeley, na Califórnia, revelou-se que o cientista Victor Ninov havia mentido ao alegar a descoberta de um novo elemento químico superpesado, o 118.

Fatores influentes

Nunca houve tantos cientistas trabalhando quanto hoje em dia. A prática da ciência costumava ser restrita a um pequeno número de indivíduos ricos ou com patrões curiosos a respeito da natureza e que não tinham que se preocupar com o pão de cada dia. Hoje, a ciência é uma profissão estabelecida, com um salário e pressões de carreira, e as coisas funcionam de forma bem diferente. Cada vez mais só se pensa em subir na carreira e na necessidade de justificar o uso do fundo de pesquisa.

Eu estava no laboratório Bell quando o caso Schon veio à tona. Schon era jovem e carismático e parecia extremamente brilhante e produtivo (uma descrição comum quando se examina a personalidade de cientistas que praticam fraudes). Alegava realizar experimentos que causavam inveja a todos, coisas que eram tentadas há anos sem sucesso. Ele ficou conhecido como o menino das mãos de ouro.

Quando a fraude foi descoberta, um comitê investigativo encontrou evidências de inúmeras irregularidades – séries completas de dados foram reutilizadas em diferentes experimentos e alguns dados haviam sido gerados por equações.

Vendo em retrospecto os casos de Ninov e de Schon, ambos foram rapidamente desmascarados. No último caso, apenas um ano se passou entre Schon apresentar seus resultados espetaculares e se ver desempregado. Existe uma lição nisso tudo: fraudes científicas importantes são desmascaradas rápido.

Controle científico

A ciência se baseia na repetição, então qualquer grande descoberta está fadada a ser repetida e testada por grupos independentes. Se ela não puder ser reproduzida, ela está corrompida. Muitas fraudes foram descobertas dessa maneira. Muitas outras foram expostas por meio de denúncias.

Os cientistas sustentam com persistência que esse tipo de controle é o bastante. Afirmam que o fato de toda fraude ser descoberta é a prova de que o método científico funciona.

Mas obviamente há a necessidade de mais fiscalização na ciência, já que a auto-regulação parece não funcionar tão bem. O estudo publicado pelo ORI sugere que muitas fraudes podem passar despercebidas. Já que a maioria das pesquisas no mundo é financiada por contribuintes, um grau tão alto de irregularidades é inaceitável.

O ORI se posiciona a favor de uma política de tolerância zero, com proteção àqueles que denunciam (algumas vezes lamentavelmente faltantes) e exigência de comportamento-modelo de ética por parte dos líderes científicos.

Na maioria dos casos, pensamos: por que ele fez isso? Pode ser culpa daquela ciência em que o vencedor ganha tudo – a primeira pessoa a realizar um experimento específico ou a abarcar uma teoria específica fica com todo o crédito.

A realidade é que é pouco provável que nos livremos da fraude científica. As pressões para fazer um nome e a tentação de pegar atalhos sempre vão existir. Em última instância, a ciência é um engenho humano e falhas humanas fazem parte de sua história. Precisamos apenas fazer um trabalho melhor ao reconhecer isso – e criar salvaguardas contra essas falhas.

(Saswato R. Das vive em Nova York e escreve sobre astronomia e astrofísica.)

Amy Traduções

Cemitério virtual alemão já tem 100 mil tumbas 06/08/2008

Posted by Denise Alves in Meus, Tecnologia.
3 comments

O primeiro cemitério virtual alemão, no ar desde o último mês de abril, já conta com quase 100 mil tumbas digitais.

O site emorial.de permite aos internautas deixar gratuitamente uma recordação do parente ou amigo falecido com nome, data de nascimento e de morte, informa a agência Ansa.

São pagas, no entanto, as tumbas virtuais mais elaboradas. Com 19 euros (cerca de R$ 45), os internautas podem acrescentar textos, documentos, fotos e dados de áudio e vídeo relacionados ao falecido.

“Com as cem mil tumbas memorizadas em nosso site podemos dizer que somos o maior cemitério virtual de toda a Alemanha”, disse Anton Stuckenberger, um dos dois fundadores do site.

Segundo a Ansa, a cada ano na Alemanha morrem cerca de 850 mil pessoas pelas quais são publicados cerca de 400 mil obituários. Na última segunda-feira, os idealizadores do site publicaram um epitáfio em memória do escritor russo Aleksander Solzhenitsyn, morto no último domingo.

FONTE: Terra

Conheça oito mentiras clássicas sobre saúde 03/08/2008

Posted by Denise Alves in ciência.
add a comment

Escrevo sobre medicina e saúde há 45 anos, e com certeza esbarrei em mais mitos e desinformação do que desejaria, variando dos absurdos aos perigosos. E, em dados momentos, eu também me deixei enganar por “fatos” que mais tarde foram negados pela ciência.

Alguns jornalistas e escritores do setor estão enfrentando esses problemas em livros recentes. Os mitos sobre os quais escreverei abaixo devem alguma coisa ao trabalho de Anahad O¿Connor e da Dra. Nancy Snyderman, bem como às minhas pesquisas. Veja se você está bem informado.
Beber oito copos de água ao dia
Acreditei por muito tempo que beber oito copos de água pura ou bebidas sem cafeína ao dia era importante para manter a hidratação do corpo e impedir constipação. Mas as pesquisas não encontraram provas que sustentem essa crença.

O Instituto de Medicina apontou em trabalho recente que as necessidades de líquidos do corpo podem ser atendidas de diversas maneiras, inclusive pelo consumo de café e chá (com ou sem cafeína) ou de frutas e legumes com alto teor de água.

A irritação causada por erva venenosa é contagiosa
A única maneira de contagiar outra pessoa com a irritação por erva venenosa que sua pele sente é se a resina da planta ainda estiver presente em suas mãos ou roupas. A irritação, uma dermatite, pode parecer contagiosa porque muitas vezes se desenvolve seqüencialmente, a depender de onde e quando a pele foi exposta. Coçar a área afetada não espalha a irritação, mas pode prolongá-la e causar infecção.

Loções e cremes comuns não costumam ajudar, e os que contêm anti-histamínicos, como o Benadryl, podem agravar a situação e causar reação alérgica. O melhor tratamento para a irritação é um esteróide, com hidrocortisona em uso tópico ou, em casos mais severos com prednisona por via oral. Use um pano úmido nas bolhas para acelerar a expulsão do líquido.

Limpe os ouvidos com cotonetes
Umbigos, talvez, mas não os ouvidos. Meu filho bem gostaria de ter sabido disso anos atrás, quando o filho dele, então com dois anos, decidiu imitar o pai e rompeu o tímpano com um cotonete. O dano exigiu reparo cirúrgico.

Snyderman aponta que o cotonete pode empurrar a cera para mais fundo no ouvido, gerando impacto e perda de audição.

Não nade depois de comer
Meus pais nos alertavam repetidamente que era preciso esperar uma hora antes de entrar na água, após as refeições. O conselho poderia ter sido útil caso meu plano fosse disputar uma competição, nadar por longa distância ou enfrentar uma corrente forte. Nunca é bom realizar exercícios cansativos de barriga cheia, porque isso pode resultar em cãibras. Mas os especialistas não vêem problema em um mergulho leve ou brincar um pouco na água depois de uma refeição.

Nadar depois de beber álcool pode ser perigoso, no entanto, porque reduz a sensatez.

Raspar pêlos faz com que eles cresçam mais rápido e mais grossos
O mito persiste ainda que um estudo conduzido 80 anos atrás já o tenha negado. Os pêlos raspados do corpo já estão mortos, e o fato de raspá-los não afeta em nada a velocidade de crescimento, que deriva dos folículos capilares vivos que existem por sob a pele. Os pêlos novos podem parecer mais escuros, porque não estiveram expostos ao sol ou a produtos químicos por muito tempo. Também podem parecer mais grossos porque o desgaste não os afetou.

Lavagens intestinais eliminam os venenos do organismo
Essas lavagens não têm qualquer valor médico conhecido e acarretam risco de danos ao reto ou aos intestinos. Os intestinos não são ‘sujos’ e, a menos que doenças ou medicamentos venham a interferir com o processo, a natureza trabalha muito bem na condução da limpeza de dejetos. Caso você esteja preocupado com a presença de substâncias impuras em seu corpo, beber muita água ajuda o corpo a se livrar delas mais rápido.

Produtos naturais são mais seguros que os artificiais
Uma mulher me perguntou recentemente se era seguro usar “substitutos de hormônios bio-idênticos”. Temo que ela estivesse se referindo a estrógenos, e não existem provas confiáveis que sustentem a alegação de que eles são mais seguros do que variedades produzidas pelos químicos, as quais estão vinculadas a risco mais elevado de câncer e doenças cardíacas.

Lembre-se de que a natureza produziu algumas das mais perigosas substâncias que conhecemos, como o arsênico e a toxina do botulismo. E os químicos, de sua parte, produziram muitos medicamentos capazes de controlar ou curar muitos males potencialmente letais. Muitos medicamentos importantes são derivados de substâncias naturais que não só têm propriedades semelhantes à dos remédios mas efeitos colaterais igualmente parecidos.

Apenas testes clínicos cuidadosamente controlados permitem garantir a segurança de um medicamento natural ou artificial, e poucas substâncias naturais passaram por eles.

Só use analgésicos se a dor for séria
Na sala de espera de um médico, um dia desses, uma mulher esperou gemendo por 90 minutos antes de enfim pedir à enfermeira um analgésico de venda livre que aliviasse sua dor de cabeça. Embora muita gente veja pílulas como respostas a todos os males, outras pessoas evitam medicamentos a todo custo, para sua desvantagem.

Os analgésicos funcionam melhor se usados ao primeiro sinal de dor, e podem não funcionar de todo caso a pessoa espere demais antes de ingeri-los. Snyderman diz que deveríamos pensar em tomar um analgésico antes de iniciar atividades pesadas como jardinagem ou partir lenha, que costumam causar dores mais tarde. Antes que eu substituísse meus joelhos artríticos por próteses, eu costumava tomar dois analgésicos antes de entrar na quadra para uma partida de tênis.