jump to navigation

Inadmissível…. 07/02/2008

Posted by Denise Alves in Meio Ambiente.
trackback
comida_food1.jpg

 Ontem fui pela primeira vez a uma dessas hamburguerias americanas que se instalaram por todos os lugares do mundo. Lugar agradável, as pessoas nem tanto – tirando meus amigos que me acompanhavam -, comida cara – no meu conceito de caro – música legal e um sistema de refrigerante interessante.Fizemos os pedidos…. os pedidos demoraram, achei estranho porque nesses lugares o que mais conta é a velocidade de entrega, mas tudo bem, reclamamos, ou melhor Tadeu reclamou, foi perguntar onde estava o pedido, eles responderam que como haviam chamado e ninguem apareceu eles “DESCARTARAM” os hamburgeres.

Fiquei intrigada com a palavra, o que significava exatamente ‘descartar’ um hamburger? a resposta viria alguns minutos mais tarde. Meu amigo voltou ao balcão para esperar pelos ditos cujos,  e viu um rapaz reclamamdo que o pedido dele estava errado, ele havia pedido outra coisa. A atendente pegou a bandeja com a comida, se desculpou, e foi saindo com os hamburgeres errados, e tadeu seguindo a mulher, o que ela faria com eles? onde descartaria? Sabe o que ela fez com os hamburgeres intocados? JOGOU NO LIXO!!!!! Isso mesmo, jogou comida, que não estava estragada, não caiu no chão, não foi alvo de inseticida, no lixo!!! comida boa e cara direto pra lata do lixo!!

 Em um país com tantas pessoas passando fome ainda há empresas que sem a menor consciencia ambiental, social – acho mesmo que isso deve ser um problema psicológico – descarta comida assim, simplesmente jogando-a no lixo. Segundo a Embrapa – Empresa Barsileira de Pesquisa Agropecuária, o brasiliero joga fora mais do que aquilo que come, só de hortaliças são 37kg por ano, sendo que consumimos apenas 35.

Segundo o mesmo estudo, no Brasil, de tudo o que se produz entre frutas e verduras, desde a colheita até a nossa mesa, 35% é jogado fora, desperdiçado!

Enquanto isso vemos orfanatos pedindo doações, asilos necessitando de amparo, crianças na rua comendo allimentos estragados e essas grandes redes de fast-food que poderíam aproveitar o que não é totalmente utilizado, pelo menos como marketing social, para ajudar outras pessoas que não podem pagar R$ 10,00 por um prato de comida, simplesmente a ‘descartar’ comida como se isso fosse sinônimo de higiene e qualidade.

Sinceramente acho isso Inadmissível!

Anúncios

Comentários»

1. Cris Abreu - 07/02/2008

apesar de concordar com você em gênero número e grau eu devo fazer uma defesa ao restaurante. O que acontece é que, se eles derem essa comida pra o povo que tem fome e o povo que tem fome passar mal e decidir ganhar uma graninha basta processar o restaurante, é batata ( sem trocadilhos!). É por isso que nenhum restaurante em sergipe dá a comida que sobra, eles são passíveis de processo e esse tipo de processo é rápido, portanto é um risco para o restaurante dar comida, por mais que queira… não concordo, mas estamos no Brasil….

2. denisealves - 07/02/2008

É mesmo cris, mas sei lá, cara, alguma coisa precisa ser feita, é muito dinheiro pro lixo e muita gente morrendo porque sobra no lugar errado, tava procurando na net e esse é realmente um problema sem vias de solução ainda definidas, existe pesquisas em andamento para descobrir o que fazer com as sobras, mas mesmo que não doe, que se faça algo por favor!!!

3. Anderson Ribeiro - 08/02/2008

Pelo menos nesse caso, a galera que trabalha lá poderia levar pra casa os sanduiches, né? hehehehe. Afinal de contas. AMO TUDO ISSO!!! kkkkkkkkkkk. Ai ai. Esse não é o lema da rede Mc?


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: